THUMP's 101 of 303: Detroit Techno

Ouça nossa playlist na Apple Music numa reverência aos clássicos do techno de Detroit.

|
ago 21 2015, 2:00pm

Ao passo em que a house music tomava forma em Chicago nos anos 80, um grupelho de adolescents em Detroit desenvolvia sua própria sonoridade, influenciada pelos sons austeros do Kraftwerk e também pelo funk cru de George Clinton. O resultado foi um gênero que capturou o tom mecânico da Motor City.

Estamos nos juntando ao pessoal da Apple Music para apresentar uma série de playlists celebrando as raízes da dance music. Na sequência: um apanhadão de clássicos do Detroit Techno. Vá até a Apple Music para ouvir a playlist – e leiam abaixo porque estas faixas representam o som.

Guia Thump do Detroit Techno

Derrick May – "Strings of Life" [Transmat 1987]

Inspirado pela obra de europeus como o Kraftwerk, um jovem Derrick May descobriu a união perfeita de sons mecânicos e ambiente, agitados e animados com sua produção mais icônica, "Strings of Life". O resultado? Techno.

Plastikman – "Spaz" [Plus 8 Records 1994]

Plastikman é conhecido por seus sons ácidos e na cara, e "Spaz" é um exemplo excelente do seu techno extremamente coeso.

Inner City – "Good Life" [10 Records 1988]

Quando Kevin Saunderson e Paris Grey uniram suas forças como Inner City, foi "Good Life"que melhor exemplificou a mensagem positiva e de amor à vida na música da dupla. A faixa se tornou um sucesso, lhe rendendo até mesmo uma aparição no Top of the Pops.

Model 500 – "No UFO's" [Metroplex 1985]

Como muitos dos pioneiros do techno, o Model 500 se orgulhava de sua visão futurista, mostrando todo seu jeitão sci-fi em faixas como "No UFO's."

DJ Assault – "Ass-n-T*****s" [Assault Rifle Records 1997]

Mais grosseira possível, a persuasão lírica de "Ass-n-Titties" do DJ Assault vem na forma de três gírias.

Cybotron – "Clear" [Fantasy 1983]

Os sintetizadores envolventes e pedradas percussivas de Cybotron criaram uma narrativa da vida noturna de Detroit: o funk encontrado nas boates combinadas com a natureza crua das ruas da cidade.

Galaxy 2 Galaxy – "Amazon" [Underground Resistance 2005]

"Amazon" do Galaxy 2 Galaxy mistura uma sonoridade meio jazz com velozes quebradas de bateria e acordes progressivos de sintetizadores. Citado como a abordagem da Underground Resistance ao que seria o "jazz hi-tech", cria-se aqui um som tão hipnotizante quanto funkeado.

DJ Rolando – "Knights of the Jaguar" [Underground Resistance 1999]

Fácil de ouvir e digno de se dançar, "Knights of the Jaguar" é o auge do cool clássico. A faixa desenrola tão bem que dá rolar umas dez vezes e você nem percebe – um sinal sincero da perspicácia de DJ Rolando

Moodymann – "Dem Young Sconies" [Planet E 1997]

Moodymann criou um hino clássico de Detroit com uma linha de baixo consistente, um toque acid e coragem audível.

Matthew Dear – "Dog Days" [Spectral Sound 2003]

Matthew Dear não é nativo de Detroit, mas como muitos de seus artistas inovadores, ele pegou o que fazia de melhor e mandou ver. Em "Dog Days", Dear levou a evolução do tech-house a outro nível, incluindo vocais em cima de uma linha de baixo incrível e com uma pegada indie.

Carl Craig – "At Les" [Planet E Communications 1997]

"At Les" fez do techno algo épico ao nublar as fronteiras entre um som de boate e uma sinfonia orquestral completa.

Paperclip People – "Throw" [Planet E 1994]

Paperclip People é o pseudônimo de Carl Craig para esta pedrada das pistas de dança, com referências a outro clássico, "Hit & Run" de Loleatta.

Detroit Grand Pubahs – "Sandwiches" [Jive Electro 2000]

Por vezes o techno não precisa ser poético ou profético. Com sua batida funk e letras engraçadinhas, o Detroit Grand Pubahs transformou o bizarro em músicas que te botam pra dançar.

Drexciya – "Bubble Metropolis" [Underground Resistance 1993]

O pessoal do Drexciya nunca fugiu do selvage ou extreme. Sua faixa "Bubble Metropolis" adiciona mais à sua mítica narrativa de ter surgido e viver em uma utopia subaquática, fundindo o techno de pegada acid com synths velozes e borbulhantes.

Shake – "My Computer Is an Optimist" [Frictional Recordings 2000]

Shake é relativamente desconhecido por suas contribuições iniciais à cena techno de Detroit, mas "My Computer Is an Optimist" estabelece a repetição e batidas diretas que seguem um caminho pedreira.

DBX – "Losing Control" [Accelerate 1994]

Ao passo em que outros músicos seguiam rumo à expressão dramática e grandiloquente, "Losing Control" de Daniel Bell (sob o pseudônimo DBX) seguia o caminho oposto, usando vocais com filtro em loop, criando uma perfeição hipnótica e minimalista.

Robert Hood – "Alarm" [M-Plant 2013]

Um dos integrantes originais do coletivo de Detroit conhecido como Underground Resistance, Robert Hood tem seu lugar garantido na história do techno. "Alarm"é a faixa de destaque do prolífico EP Eleven do produtor – um som coeso em que um groove delicado floresce durante nove minutos em uma emocionante ressonância melódica.

Terrence Parker – "Love's Got Me High" [Intangible Records & Soundworks 1995]

Exalando emoção, a exuberante e suingada "Love's Got Me High" é uma aula em forma de tributo à alma de Detroit — sem ir muito longe na autoindulgência.

Tradução: Thiago "Índio" Silva