MIXED BY Hunt for the Breeze

Aqui é a geração good vibes mandando um alerta: se você ouvir a nova MIXED BY feita pelo produtor Hunt for the Breeze agora mesmo, chances são da sua semana ser um pouco menos merda do que provavelmente a foi até agora.

|
jul 23 2014, 2:37am

Aqui é a geração good vibes mandando um alerta: se você ouvir a nova MIXED BY feita pelo produtor Hunt for the Breeze agora mesmo, chances são da sua semana ser um pouco menos merda do que provavelmente a foi até agora.

Faysal Matin, o nome por trás do projeto, é um jovem produtor da Virgínia, nos EUA, que ao lado de outros amigos produtores criou o coletivo Moving Castle, que em sua segunda compilação criou um auê na blogosfera dos future beats. Vices, Jailo e Ba-kuura são alguns dos nomes que integram a compilação recheada de future pop, juke e aqueles sons pós-internet que ninguém sabe como definir ainda, mas pra que dar nome à algo que você pode expressar com todo o seu corpo?

No mês passado, o Hunt for the Breeze lançou a incrível faixa "Tension" pelo selo australiano DIE HIGH, que marca uma nova fase na carreira do produtor que já vinha ganhando a atenção de outros produtores e selos pelos seus remixes. Todo esse lance do Soundcloud estar fazendo uma caça às bruxas por causa de direitos autorais pode ser outro motivo pela qual o produtor escolheu, certeiramente, criar mais faixas originais. "O Soundcloud já está saturado de remixes, e isso definitivamente vai forçar outros produtores a criarem seus próprios beats".

Então dá play nessa viagem louca e lê o papo que a gente bateu por e-mail com o produtor pra saber o que mais ele anda fazendo.

THUMP: Quando e como você começou a produzir?
Faysal:
Eu comecei a brincar com o Fruity Loops quando estava no segundo colegial. Na época eu não sabia direito o que estava fazendo e só ficava tentando tirar uns sons interessantes. Depois que meu gosto musical se expandiu, eu fui aprendendo mais sobre produção e comecei a fazer mash-ups para uns amigos. Depois um amigo meu me recomendou mudar para o Ableton e criar uma conta no Soundcloud para postar as músicas e remixes.

E quando você começou a tocar?
Meu primeiro set como Hunt for the Breeze foi na Closed Sessions, abrindo para Nguzunguzu e Nightwave, na Flash DC. Eu acabei de conseguir mais algumas gigs e espero conseguir mais pela frente.

E como são as festas por aí onde você mora?
A cena na DMV (DC/Maryland/Virginia) é bem grande. Existem tantos talentos agora, de vários produtores jovens. Tem o Manila Killa, Lindsay Lowend, Royal, i.V., Jonah Baseball, Alex Young, Abhi/Dijon, Rules, Ruddyp, Rvdical the Kid, Chris McClenney, Dirty Chocolate... muitos sons originais e inovadores sendo feitos. Através das redes sociais, podemos nos conectar e trabalhar em músicas juntos, ou sugerir ideias e críticas para desafiar nós mesmos a ser sempre melhores.

E qual equipamento e softwares você usa para produzir?
Hoje em dia eu uso principalmente o Ableton Live com um monte de VSTs e sons aleatórios que eu encontro no freesound.org, ou que eu gravo no meu Apogee ONE. Desde que comecei no Fruity Loops já usei Reason, Logic e Pro Tools, mas achei o Ableton o mais versátil e fácil de usar. Eu consigo transformar uma ideia em música em uma questão de minutos.

E você sempre fez música?
Sim, a música sempre foi uma grande influência para mim. Seja através de aulas de violino em aulas de orquestra, ou passeando por tutoriais no YouTube para aprender a tocar guitarra, eu sempre amei ouvir e fazer música. Minha mãe me colocou na música clássica desde cedo, e isso teve um grande impacto no que eu escuto hoje em dia.

Como foi criado o coletivo da qual você faz parte, o Moving Castle? Quem mais faz parte?
O Moving Castle é um coletivo que eu comecei com Manila Killa, AOBeats & Robokid em dezembro de 2013. Estávamos todos muito ansiosos em compartilhar as músicas uns dos outros, e queríamos criar uma plataforma onde pudéssemos lançar as canções que fazíamos. Não muito tempo depois, nós apresentamos o coletivo para alguns amigos produtores da internet e de repente tínhamos a primeira compilação em mãos.

Sua faixa "Tension" tem uma vibe mais dark e industrial do que seus trabalhos anteriores. O que te inspirou a fazer esse som?
Eu fiquei inspirado logo após ouvir repetidas vezes o álbum Aleph, do Gesaffelstein, e ao ouvir vários trechos de "God Level", do Kanye West. Ultimamente eu tenho curtido uns sons mais industriais e tons menores. Eu curto experimentar vários efeitos e plugins de distorção para esculpir as canções na direção que eu quero.

Eu li um review da Earmilk sobre o seu remix para "It Won't Stop" e o autor do texto fala sobre a "cena de Jersey sendo muito hypada e saturada com samples de bed squeaks (isso, aquele barulho de mola de ferro de cama)". Você também acha isso?
Sim, eu sinto que a cena está saturada, seja pelos samples ou pelo padrão de break-beat reciclado usado na maioria das músicas – tudo está parecendo meio igual. No entanto, alguns produtores conseguem tomar as influências do gênero, mas incorporando à sua própria estética. Foi isso que eu e o Manila Killa tentamos fazer com esse remix, pelo menos.

E com quem mais você já trabalhou? Alguma colaboração futura nos planos?
Eu já trabalhei com o Chris McClenney (Flow-fi/Soulection) em um remix antes, o que foi ótimo porque ele já tinha um extenso background musical. Como usávamos diferentes DAWs, nós fomos trocando pedaços e ideias da música até ela ficar pronta. Além desse, eu tenho outras colaborações que ainda são segredo. Espero poder lançá-las em breve.

E EPs ou álbuns estão nos planos também?
Sim, estou trabalhando no meu primeiro EP que deve sair já no próximo mês.

E como você escolheu as faixas para essa mix?
Eu pus algumas coisas novas que eu descobri recentemente e também umas mais antigas que eu sentia que expressavam a direção sonora que eu estou seguindo na minha própria música.

E quais são seus produtores ou selos favoritos no momento?
Em relação a produtores, eu sempre fui muito fã do Hudson Mohawke e Flying Lotus. Ultimamente, eu tenho ouvido muitas coisas antigas do Holy Other e o álbum Excavation, do The Haxan Cloak. O Evian Christ é outro produtor que eu tenho ouvido bastante e tive a chance de conhecer mês passado, junto com o Blood Orange e o L-Vis 1990 na festa Output, no Brooklyn.

E o que você acha que vai acontecer com o Soundcloud, bloqueando e excluindo tantas contas e produções? Como você acha que isso pode mudar a forma como criamos e compartilhamos música na internet?
Acho que essa mudança vai ser boa e ruim para os produtores. O Soundcloud já está saturado de remixes, e isso definitivamente vai forçar mais produtores a criarem material original. No entanto, vai ser difícil para novos produtores receberem algum destaque e conseguirem seus próprios seguidores sem a oportunidade de remixar ou fazer um edit de um artista mainstream.

Quais são seus cinco filmes favoritos?
Essa é difícil, mas lá vai:

1. The Big Lebowski
2. The Royal Tenenbaums
3. Enter the Void
4. Mulholland Drive
5. Burn After Reading

E pra terminar, de onde saiu o nome "Hunt for the Breeze"?
Então, na escola, minhas bandas favoritas eram Animal Collective e Yeasayer. A frase hunt for the breeze vem de uma música do Animal Collective chamada "Summertime Clothes". "It doesn't really matter, I'll go where you feel. Hunt for the breeze, get a midnight meal."

Tracklist:
Dream Koala - Saturn Boy (Kid Rmpl Remix)
Gil Scott-Heron/Jamie xx - NY is Killin Me (Feral Edit)
Young Thug - Stoner (Evian Christ Remix)
SPF666 - Scorpion Cache (Mike G Remix)
l s d x o x o - 07 g r a t a t a
Rome Fortune - Lights Low (prod. Four Tet)
Evian Christ - Fuck It None of Y'All Don't Rap
Hunt for the Breeze - Tension
Darq E Freaker - Minger