Quantcast

15 Músicas que Não Podem Faltar nas Pistas da CIO e Hell’s Club

Dois dos mais longevos projetos de música eletrônica de São Paulo vão agitar o Beats Stage neste sábado (2/8); montamos uma playlist pra esquentar a chapa, vem ouvir!

Eduardo Ribeiro

Eduardo Ribeiro

O Hell's Club não foi somente o primeiro after hours de São Paulo. Mais que isso, na real, foi o marco da consolidação de uma cena clubber que mais tarde se expandiria e ajudaria a transformar a cidade nesse polo vibrante de hedonismo, diversidade e catalizador de tendências que conhecemos hoje. O ano era 1994, e a festa rolava no subsolo do finado Columbia. Ali, na esquina da Rua Augusta com a Estados Unidos, onde manos, modernos, punks, hippies, drags e gays se misturavam numa harmonia nunca antes vista.

Diferentes vertentes faziam a trilha sonora da balada, mas o techno certamente foi o estilo que deu o tom. O DJ Mau Mau e o então promoter e hoje também DJ, Pil Marques, iniciaram despretensiosamente um projeto que revolucionou a noite da cidade e serviu de incubador para a formação de outros DJs, promoters, artistas, comunicadores e criadores em geral que ajudariam, cada um à sua forma, a construir a cultura da qual desfrutamos. O Hell's teve uma segunda fase, no clube Vegas, a partir de 2005. As filas eram igualmente longas e era comum que o rolê durasse até as 11h da manhã ou um pouco além.

Com o fechamento do Vegas, em 2012, o Hell's encerrou suas atividades como projeto fixo, e passou a acontecer como festa esporádica e itinerante. A proposta, segundo Pil, continua sendo a de um after focado na música eletrônica underground. O que explica sua sobrevivência, afirma ele, é que o Hell's virou uma marca referencial. "A festa surgiu numa fase muito importante para a consolidação da cena eletrônica no país. Hoje existem vários segmentos dentro da eletrônica que começaram a se formar a partir daquela época. A DJ Paula Chalup é um ótimo exemplo da geração de DJs que tiveram o Hell's como escola. Hoje, o Hell's é um nome forte, uma marca, referência na história da noite de São Paulo", disse.

Neste sábado (2/8), o Hell's participa de um acontecimento que promete ser lendário no Skol Beats Factory, quando o espaço recebe uma split party casada com outra balada cheia de boas históriasna noite paulistana, a Cio, criada pela Glaucia ++, que atualmente divide a curadoria e organização com os DJs Magal e o Hero Zero. Além do trio, os residentes hoje são o Mau Mau, Pil Marques e Márcio Vermelho.

Comemorando 17 anos de existência, a Cio, festa que se firmou como projeto semanal, sempre às quartas-feiras, no Lions Nightclub, pode ser considerada tipo uma irmã caçula da Hell's. Compartilhando ao longo desses anos um público de perfil parecido, tem uma história não menos curiosa: a Glaucia estreou como barwoman do lendário Sra. Krawitz. Lá, ela inventou o famoso drink Bolacha no Cio. Quando deixou o club e foi trampar em outra casa, o The Cube, na Consolação, é que ela teve a ideia de criar uma festa para meninas gays, com foco na música oitentista, e assim nasceu a Cio 80's. Era engraçado porque só tocavam mulheres naquela época, e no bar também, só grrrls. Quando algum homem era escalado no line-up, tinha que se vestir de mulher. Essa vibe bem humorada, depois do The Cube, passou pelo Glitter, o Ego Trip, e aportou n'A Torre, em 1999, quando emplacou de vez.

Com o tempo os anos 1980 deixaram de dar o tom exclusivo da festa, que assumiu um perfil mais permissivo e abrangente. Desde a Torre, a Cio passou pelo Massivo, o Ultralounge, o Stereo, endereço que hoje é do D-Edge, o próprio D-Edge, A Lôca e o Beat Club, entre outros picos. "Somos absolutamente focados e viciados em apresentar música autêntica e de qualidade toda semana. Claro, que para isso é necessário se adaptar, evoluir junto com a música, com as pessoas e clubs. Adoramos essa evolução. Apesar de o nosso DNA ser 80's e underground", declaram os organizadores.

O encontro levará ao Beats Stage as performances dos DJs Magal, Paula Chalup, Pil Marques, Hero Zero e Gláucia ++, a partir da meia-noite até o sol raiar, como nos bons tempos. Pra entrar no clima, selecionamos uma playlist com músicas que assinalam a trajetória de ambas as festas:

TRACKLIST:

DJ Hell - Allerseelen (Jeff Mills Remix)
Fly By Wire / Graphite - Last Voyage
Laurent Garnier - Pigalle
Orbital - Impact USA (The Earth Is Burning)
Sasha - Magic (Pob's Seismix)
Sven Vath - An accident in Paradise
System 7 - Alpha Wave (Plastikman Acid House Mix)
The Chemical Brothers - Fuck Up Beats
The Prodigy - Poison
Underworld - Rowla
Funk D'Void - Jack Me Off
Miss Nicky Trax - Acid in the House
The Psychedelic Furs - Heartbeat
Front 242 - Take One
Kraftwerk - Trans Europa Express

BEATS STAGE
Sábado, 2/8, a partir da meia-noite.
R$ 30. Casa sujeita à lotação.

SKOL BEATS FACTORY
Rua Pedroso de Moraes, 1036, Pinheiros, São Paulo.
Tel.: (11) 3814-7383.