Quantcast

10 dos nossos DJs preferidos relembram do pior, melhor e o mais ridículo de 2015

THUMP Staff

THUMP Staff

Loco Dice, The Black Madonna, A-Trak e grande time repassam o ano em suas retrospectivas.

Continuando nossa retrospectiva dos principais momentos de 2015 no que se refere à música eletrônica e dance music, agora é a vez do ponto de vista dos nossos DJs e produtores preferidos: A-Trak, Laidback Luke, The Black Madonna, MikeQ e grande time. Do future house ao deep house, BPM a Bestival, de Buenos Aires a Glasgow, nós falamos com eles sobre cidades, festivais e tendências que fizeram a diferença em 2015.

Veja também nossas listas de faixas, mixes e discos.

1) A-TRAK

Depois de um começo de ano atribulado, A-Trak se manteve firme à frente do selo Fool's Gold que fundou junto com Dust La Rock (descanse em paz).

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

A lista de 100 melhores da DJ Mag.

Qual foi a melhor cidade em 2015?

São Francisco fiz o show mais animado da minha turnê Gold Gone Wild. Especialmente quando eu toquei um set hyphy.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Dabbing [fumar não a folha da maconha, mas seu óleo essencial]. Sem desrespeitar meu parceiro Rich The Kidd — o mesmo eu digo de Migos. Mas a américa está ficando maluca com isso e isso precisa acabar.

Qual sua atividade não-musical preferida?

Eu tive um dia livre em Banguecoque... Meus amigos e eu ficamos cinco horas nesse shopping esquisito fazendo de tudo: nós compramos sacolas de bootlegs, vimos umas lentes de contato com o pentagrama, recebi uma mensagem, fizemos uma incrível imagem 3D de nós mesmos dentro de um tipo de prisma, fizemos várias refeições, espiamos talentosos asiáticos jogando fliperama de DJ... e continuei falando "Melhor dia!" o tempo todo. Eu não cresci em shoppings então isso tudo era novidade para mim.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Meu amigo e diretor de arte Dust La Rock faleceu.

Cortesia do Facebook de MikeQ

2) MikeQ

Nova Jersey estava de novo sob os holofotes esse ano com Fetty Wap comandando as paradas e MikeQ dominando as baladas.

Qual foi a melhor cidade em 2015?

Glasgow! Com certeza, eles estavam curtindo muito. Segundo lugar: Londres. Basicamente, o Reino Unido se preocupa...

Que gênero você gostou que teve uma volta esse ano?

Eu não conseguiria dizer que eu reparei em algum gênero voltando esse ano mas no hip-hop, a volta da Missy Elliot voltou foi empolgante o bastante para esse gênero, na minha opinião.

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Tirar fotos dos lindos lugares para onde viajo por causa da música ou apenas como fuga mesmo enquanto continuo sendo um artista criativo.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Algumas: 1. Eu sentei em um palanque e fiz um discurso público. 2. Estou agora finalmente lançando meu selo musical para o mundo do jeito que eu queria há anos.

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Ir para a África e ou América do Sul para discotecar finalmente e ficar mais próximo da minha dominação mundial como DJ.

3) Sydney Blu

Mantendo um selo (Blu Music), uma série de eventos (Blu Party) e lançando seu álbum de estreia, 'Relentless', a produtora de voltou para o Canada em 2015.

Qual foi a melhor cidade em 2015?

TORONTO, baby! Melhor cidade!

Qual foi o melhor festival que você foi?

Electric Island foi incrível. Eu amei fazer parte dele..

Qual foi a maior surpresa do ano?

Me mudei de volta para Toronto. Eu acho que ninguém esperava por isso a não ser meus amigos íntimos. Foi uma grande decisão vir para casa.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Terminar meu disco. Muita pressão nisso, mas eu consegui. Eu compus ele durante dois anos. Foi um alívio quando eu finalmente terminei.

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Voltar para Ibiza! Eu fiz uma turnê na América do Norte esse verão passado. Ano que vem eu vou passar meu verão na Europa.

4) Laidback Luke

Presença garantida no circuito global de festivais, Laidback Luke visitou a ala editoral da música esse ano: falando sobre grandes questões da música eletrônica para a Billboard.

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

A raiva dos fãs de Ariana Grande que vieram em massa atrás de mim depois que eu twitei sobre ela. Eu nunca bloqueei tanta gente na minha vida! A molecada pode ser bem raivosa!

E na vida real?

Chocado com Rob Fernandez que faleceu assim como Alan Green. Nós tomamos a vida como certa a maioria das vezes e esses momentos realmente dão uma pausa em tudo. A vida é agora e sentiremos muita falta de ambos!

Que gênero você gostou que teve uma volta esse ano?

Estou bem feliz que tudo ficou mais funk esse ano. Para mim significou que eu podia pegar de volta meu estilo de 2005-2008.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Wobble House, apesar de não me deixar bravo, todo mundo está fazendo isso agora então não vai terminar tão cedo.

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Eu me apaixonei pela edição de vídeos esse ano. Veja meus VLOGs, é tudo eu filmando e editando!

5) The Black Madonna

Essa raver viajou o mundo tornando-se uma espécie de embaixadora das raízes da cultura clubber — musical e politicamente falando.

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

Provavelmente alguma entrevista que eu dei para alguém.

E na vida real?

Pessoas hétero usando poppers. Bem, a não ser aquele idiota que tomou um frasco inteiro de poppers e quase morreu.

Que gênero você gostou que teve uma volta esse ano?

Estou feliz em ver as pessoas fazendo um techno sólido que beira o trance. Quer dizer, o uso original da palavra trance, não aquela coisa do Tiësto.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Deep house que não é nem deep nem house. Essas palavras têm um significado, crianças.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Eu sempre tive uma ansiedade terrível durante a minha vida toda, que começou realmente a se manifestar quando comecei a fazer turnê. Esse ano precisei visitar um médico pra ver isso. Buscar ajuda mudou minha vida finalmente. Eu superei a pior parte disso, mas ainda aparece. Eu tenho um relacionamento muito especial com a molecada que vai aos shows. Eles me abraçam e contam o que está acontecendo em suas vidas e com o que eles se preocupam. Sempre escuto e dou tempo para eles. Significa muito eles irem aos shows, às vezes percorrendo grandes distâncias, e eles sentem uma conexão comigo. Eles são muito preciosos para mim. Mas às vezes eu preciso de um tempo sozinha no banheiro. Eu faço o que precisar fazer para me livrar dessa maldita ansiedade no trabalho.

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Sério: Eu vou para a Disney.

6) Lupe Fuentes

A eclética Lupe Fuentes colocou sua marca no techno esse ano ao lançar seu próprio selo, o In The Loop.

Qual a coisa mais ridícula que você viu na vida real em 2015?

Meu cachorro sentado em um banquinho na cozinha pedindo sorvete de baunilha.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Enquanto eu sou definitivamente uma fã de homens másculos e não me importo com barbas, alguns de vocês estão fora de controle.

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Fazer caminhadas com meus cachorros em Malibu, eu amo natureza e eu amo o oceano.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Começar meu próprio selo, o In The Loop, e transformá-lo em uma marca!

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Uma turnê mundial.

7) Savant/Blanco

As múltiplas personalidades de Aleksander Vinter adicionaram uma bem-vinda diversidade à paisagem eletrônica em 2015.

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

Tanta coisa. Eu tenho transtorno de déficit de atenção então é difícil apontar a coisa mais ridícula. Tantas coisas para escolher, todos os políticos americanos são bem ridículos... produtores brigando no Twitter sobre quem é o maior cuzão. Pode escolher!

Qual foi a melhor cidade em 2015?

Buenos Aires foi muito divertida, mas meu coração estava em Paris a maior parte do ano.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Gêneros.

Qual foi o melhor festival que você foi?

O meu preferido esse ano foi o festival Resistanz em Sheffield, Reino Unido. Tinha uma vibe industrial escura e foi incrível ir lá e eu me diverti tanto que eu quase não saí.

Qual foi a maior surpresa do ano?

Eu fiz uma canção sobre "culos."

8) MIKE SERVITO

Esse DJ de Detroit que reside em Nova York passou de um segredo bem guardado a uma explosão total em 2015.

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

Qual a coisa mais ridícula que você viu online em 2015?

E na vida real?

O mesmo que acima.

Qual foi o melhor festival que você foi?

Empate: Movement. Dekmantel

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Empate: Dormir. Comer donuts.

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Uma turnê com minha gangue. Vocês sabem quem são!

9) LOCO DICE

O mestre do techno de Dusseldorf veio com força total em 2015 e fez uma residência em Ibiza e um novo disco, 'Underground Sound Suicide'.

Qual foi a melhor cidade em 2015?

Nova York ainda está detonando.

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Terrorismo.

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Entrar em um ringue com um jornalista.

Qual foi a maior surpresa do ano?

Um treinador alemão "normal", Jürgen Klopp, ir para o FC Liverpool.

O que você não fez em 2015 que faria em 2016?

Férias na Tailândia.

10) MIJA

Conhecer Skrillex foi o que a lançou no mundo da música, mas ainda assim 2015 viu Mija fazer ondas com seu próprio som.

Qual foi a coisa mais desafiadora que você superou em 2015?

Aprender a produzir na estrada.

Que gênero você gostou que teve uma volta esse ano?

Nightcore (também conhecido como happy hardcore, vamos falar a verdade).

Qual a coisa da moda que você quer que acabe?

Máfias de repost no SoundCloud.

Qual foi sua atividade não-musical preferida?

Andar com amigos, comer boa comida, brincar com filhotinhos.

Qual foi a maior surpresa do ano?

Virar uma Belieber.

Tradução: Pedro Moreira

Siga o THUMP nas redes Facebook // Soundcloud // Twitter.